Entrevista com Bárbara Vitoriano

Bárbara Vitoriano

Val Reis

Bárbara Vitoriano, acadêmica de jornalismo e participante do Madrugadão Criativo pela primeira vez, é entrevistada pela redação do Corujão.

Corujão: O que te motivou a participar do Madrugadão 2011?

Bárbara : Superação de limites, o fato de estarmos em um ambiente muito parecido com o de uma redação, lidarmos com a pressão do tempo, aguentar o sono e aprender na convivência com os colegas foram o principais motivos que me fizeram deixar minha filha e meu marido e vir passar a madrugada fazendo cobertura do evento.

Corujão: O que seu marido disse quando você comunicou a ele o fato de participar do Madrugadão?

Bárbara:Ele achou que era brincadeira, em princípio, depois me apoiou e lamentou que na faculdade dele não tenha tido eventos assim. Deu a maior força.

Corujão: O que você achou da atuação dos professores?

Bárbara: Os de jornalismo, que tive um contato mais próximo, estiveram o tempo todo participativos, animados, pressionando a gente. Superaram as expectativas.

Corujão: E com relação aos colegas, o que você achou?

Bárbara: O pessoal de jornalismo estava animado, produzindo, andando, fazendo a cobertura para o qual foi proposta. Acho que ninguém fez corpo mole, todo mundo trabalhando e aprendendo.

Corujão: Qual a lição que você leva do Madrugadão?

Bárbara: A lição que levo é que o que nos espera lá fora não é fácil, por isso esses eventos são tão importantes, pois nos colocam em uma situação de correria e pressão que se aproxima do mercado de trabalho. Aprendemos a lidar com a pressão e o tempo.

Que venham muitos madrugadões

Osvaldo e Denise, exemplos de motivação

Val Reis

Cinco e meia da manhã. Por um momento parei a minha produção de matérias e percebi o quanto minhas pálpebras estão pesadas. Não estou acostumada a ficar em claro a noite toda. Dormir tarde, sim, mas nem tanto.

O sentido para estar aqui, na faculdade, participando do Madrugadão Criativo tem a ver com a sede de aprendizado que carrego comigo. Aprendizado constante que me faz participar de diversas palestras por ano, que me faz ir a lugares e investir em cursos, além de baixar diversos tutoriais que nunca consigo tempo para ler.

É a segunda vez que participo deste evento. Ano passado foi tudo novidade, animação e muita adrenalina. As cobranças foram maiores, tivemos que produzir muito mais e demos um show na cobertura do evento. Este ano está mais tranqüilo e sem bebida energética é complicado ficar acordado, mas até que passou rapidamente.

Entrevistei muita gente, alguns disseram que vieram somente pelo ponto na média, outros com brilhos nos olhos relatam com vivacidade o que pretendem, acreditam na vitória da competição dos grupos do Madrugadão e estas pessoas eu admiro.

Enfim, daqui a pouco o sol estará brilhando e eu irei para casa, com mais experiência e bagagem do que cheguei aqui. Participei de uma simulação de redação e isso me deixou muito a fim de entrar de cabeça na área de jornalismo de online ou impresso. Mas, ao sair daqui já volto ao meu mundo “real”, onde eu tenho que correr contra o tempo para dar conta e de todo o trabalho e compromissos que acumulo no dia-a-dia.

Que venham muitos madrugadões, e que eu tenha ânimo para participar de todos, juntos com pessoas cheias de gás como o Osvaldo e a Denise, que parecem nunca perder o entusiasmo!

Grupo “ReClame!” está confiante na vitória

Lauren, Braulio, Priscila e Flávio.

O grupo intitulado “ReClame!”, formado por Lauren, Braulio, Priscila e Flávio são os mais animados até o momento. Segundo eles, o processo foi mais rápido do que no ano passado, quando neste mesmo horário não haviam conseguido criar praticamente nada.

“Este ano estamos ainda com o prazo de algumas horas e a campanha está na metade, estamos indo muito bem”, afirma Braulio.

O grupo “1R3E” corre contra o tempo

Dois integrantes do Grupo “1R3E” (Uma Rosa e Três Espinhos)

O grupo “1R3E” (Uma Rosa e Três Espinhos) é formado por uma mulher – Camila – e por três rapazes – Djone, Ronan e Cláudio. Eles estão a todo vapor na produção de sua campanha.

“o andamento não está indo bem. A gente demorou ter ideia, quando ela surgiu, não estamos conseguindo achar imagem…”, afirma Camila. “Mas até o início da manhã vamos aprensentar uma boa campanha, temos fé”, concluiu.

Grupo está desanimado com o andamento do trabalho

Ligia, Rafael, Flavia e João Paulo

O Grupo composto pelos acadêmicos João Paulo, Lígia, Rafael e Flávia são o retrato do nervosismo, e estão desanimados com o resultado de sua criação. Segundo Ligia, a grande dificuldade é que nenhum dos componentes do grupo conhece a ferramenta de criação, o Ilustrator e isso tem dificultado muito o trabalho deles.

“Estamos tentando aqui”, afirma João Paulo, “mas até agora o que posso dizer é que o resultado está péssimo!”, finaliza ele, desanimado.

Apesar da alegação de desconhecerem o programa Ilustrator, os acadêmicos já tiveram aulas sobre o software, de acordo com o professor Antônio Fernando de Almeida. “São nessas horas que a gente observa o quanto é importante a participação efetiva dos alunos nas aulas”, comenta.

(Matéria editada às 06h35)

Grupo “Seven Group” afirma que serão os campeões do Madrugadão 2011

Glauco, Douglas, Maykon e Jéssica do "Seven Group"

O Grupo intitulado “Seven Group”, composto pelos acadêmicos de publicidade Glauco, Douglas, Maykon e Jéssica estão concentradíssimos no desenvolvimento de sua campanha.

Segundo Glauco, “o trabalho está bem adiantado, no início da manhã será apresentado uma campanha de qualidade, e com certeza seremos os campeões”, afirma.

Crelame recupera vidas como a da jornalista Ana Paula Cardoso

Ana Paula Cardoso

Por Val Reis

O Crelame (Centro de Reabilitação do Lesado Medular) é um projeto desenvolvido por acadêmicos do curso de fisioterapia da Estácio de Sá em Campo Grande que faz muita diferença na vida de pessoas como Ana Paula Cardoso, jornalista, que há dois anos sofreu um grave acidente na rodovia GO-225.

Ana Paula viajava com amigos de carro, de Pirenópolis (GO) para Brasília. Conforme a família, o motorista do veículo em que a jornalista estava perdeu o controle da direção e o carro capotou, pois chovia muito na hora do acidente. Com o impacto, Ana Paula sofreu forte lesão na coluna e ficou tetraplégica.

Durante um ano e meio, Ana Paula ficou internada em Brasília, desde o início do ano, voltou para Campo Grande e está fazendo sessões de fisioterapia no Crelame. Segundo Fernanda Alves Cardoso, irmã de Ana Paula, depois de suas visitas ao Centro, sua auto-estima melhorou, alguns movimentos voltaram e ela tem uma vida social que, depois do acidente, ficou bastante limitada.

“Minha irmã encontra outras pessoas, tem uma atividade e isso tem feito muito bem para ela, que antes ficava somente em casa. O Crelame foi um grande diferencial para ela e para toda a família”, afirma Fernanda Alves, acadêmica de publicidade da Estácio de Sá de Campo Grande. “Hoje Ana Paula já tem sensibilidade de toque em quase todo o braço e já recuperou a coordenação motora. Com isso, alimenta-se sozinha e pega alguns tipos de objetos leves”, finaliza Fernanda Alves.